Português

Estrutura de Family Office Único

Neste guia, discutiremos sobre a estrutura corporativa e de gestão de um single family office (SFO) projetado para gerenciar com eficiência o patrimônio e assuntos pessoais de famílias abastadas. Esta estrutura precisa ser flexível e robusta para se adaptar às necessidades em evolução da família, garantindo ao mesmo tempo conformidade e governança, gestão de risco e alinhamento com os valores e objetivos da família. Aqui está uma explicação detalhada:

Estrutura corporativa

A estrutura corporativa de um único family office pode variar significativamente com base em fatores como o tamanho da riqueza da família, seus objetivos e considerações regulatórias. Normalmente, os single family offices (SFOs) são estruturados como empresas privadas, trustes ou uma combinação de ambos, cada um oferecendo diferentes vantagens em termos de controlo, protecção de responsabilidades e eficiência fiscal.

Empresa privada

Um único family office pode ser estabelecido como uma sociedade anônima privada, onde a família possui ações com direitos de governança. Esta estrutura pode proporcionar proteção de responsabilidades e facilitar a governação e o planeamento sucessório.

Selecionando uma Jurisdição

Para configurar uma empresa privada, é muito importante selecionar uma jurisdição que ofereça ambientes jurídicos e fiscais favoráveis (considerando leis de privacidade, requisitos regulatórios e implicações fiscais) para as operações do family office. As jurisdições mais populares para a criação de single family offices incluem:

  • Suíça: Leis de privacidade fortes, estabilidade política e económica.

  • Cingapura: Estrutura regulatória robusta, incentivos fiscais atraentes e um ecossistema crescente de serviços de gestão de patrimônio.

  • Luxemburgo: Popular por seu sofisticado setor financeiro, especialmente para fundos de investimento.

  • Ilhas Cayman: Conhecidas por sua neutralidade fiscal, as Ilhas Cayman não oferecem impostos diretos sobre empresas ou pessoas físicas.

  • Dubai (Emirados Árabes Unidos): Ambiente livre de impostos e serviços bancários de classe mundial.

  • Liechtenstein: Atraente pela sua estabilidade política, privacidade para investidores e regime fiscal favorável.

  • Ilhas do Canal da Mancha (Jersey e Guernsey): Estabilidade política e económica, um ambiente jurídico e regulamentar sofisticado e neutralidade fiscal.

  • Hong Kong: Sistema tributário favorável, um sistema jurídico robusto baseado no direito consuetudinário inglês e acesso estratégico aos mercados asiáticos.

  • Estados Unidos (Estados específicos como Dakota do Sul, Delaware e Nevada): Leis favoráveis à confiança, estatutos de proteção de ativos e tratamentos fiscais favoráveis para trusts e family offices.

  • Nova Zelândia: Quadro jurídico robusto e regime fiscal favorável para trustes estrangeiros.

Confiar

Alguns family offices únicos são criados dentro de uma estrutura fiduciária para administrar ativos em benefício dos membros da família, oferecendo vantagens fiscais e um alto grau de privacidade.

Tipos de confiança

  • Revogável vs. Irrevogável: Decida se o trust será revogável (pode ser alterado ou rescindido pelo concedente) ou irrevogável (não pode ser alterado uma vez estabelecido).

  • Doméstico vs. Offshore: Considere se deve estabelecer o trust no país de origem da família ou em uma jurisdição offshore (conforme discutido anteriormente), que pode oferecer vantagens legais ou fiscais específicas.

Contrato Fiduciário

  • Termos do trust: Os profissionais jurídicos elaboram um contrato fiduciário que descreve os termos do trust, incluindo os objetivos do trust, direitos do beneficiário, regras de distribuição e poderes dos administradores.

  • Administradores: é importante escolher indivíduos ou entidades profissionais de confiança para atuar como administradores. Eles serão responsáveis pela gestão dos ativos do trust e pela tomada de decisões no melhor interesse dos beneficiários.

Financiamento Fiduciário

  • Transferir ativos: Os bens da família são transferidos para o fundo. Isto pode incluir ativos financeiros, imóveis, interesses comerciais e outros investimentos.

  • Transferências de documentos: É importante garantir que todas as transferências sejam devidamente documentadas para manter as vantagens legais e fiscais da estrutura fiduciária.

Estruturas Híbridas

A combinação de elementos de empresas, trustes e parcerias permite que as famílias aproveitem os benefícios de cada um para diferentes aspectos da sua estratégia de gestão de património.

Estrutura de Gestão

A estrutura de gestão de um único family office concentra-se na organização dos recursos humanos para garantir a prestação eficaz dos serviços. Normalmente inclui:

Liderança executiva

  • Chief Executive Officer (CEO) ou Managing Director: Supervisiona toda a operação do single family office, implementando estratégias e garantindo o alinhamento com os objetivos da família.

  • Diretor Financeiro (CFO): Gerencia as finanças do single family office, incluindo estratégia de investimento, contabilidade e relatórios.

  • Chief Investment Officer (CIO): Responsável pela carteira de investimentos da família, desenvolvendo e executando estratégias de investimento alinhadas aos objetivos da família e à tolerância ao risco.

Departamentos Funcionais

  • Gestão de Investimentos: Lida com alocação de ativos, pesquisa e gerenciamento de portfólio.

  • Planejamento patrimonial e gestão patrimonial: Concentra-se em planejamento tributário, planejamento patrimonial e estruturação de investimentos de maneira eficiente em termos fiscais.

  • Jurídico e Conformidade: Garante que o single family office opere dentro das estruturas legais, gerenciando a conformidade regulatória e supervisionando questões jurídicas relacionadas ao patrimônio da família.

  • Gerenciamento de Riscos: Identifica e mitiga riscos financeiros, incluindo volatilidade de mercado, risco de crédito e riscos operacionais.

  • Filantropia e impacto social: Gerencia doações de caridade, empreendimentos filantrópicos e investimentos de impacto social.

  • Serviços Familiares: Oferece serviços personalizados aos familiares, como planejamento educacional, coordenação de viagens e gerenciamento de propriedades.

Conselhos Consultivos e Comitês

  • Comitê de Investimentos: É composto por familiares e consultores externos, supervisionando e orientando estratégias de investimentos.

  • Conselho de Família: Um órgão de governança que representa a família nas decisões estratégicas, garantindo que as atividades do single family office estejam alinhadas com os valores e objetivos do legado da família.

Conclusão

A estrutura corporativa e de gestão de um único family office deve ser cuidadosamente projetada para equilibrar a necessidade de gestão profissional de patrimônio com o desejo da família por privacidade, controle e expressão de seus valores. Ao estabelecer estruturas de governação claras, delinear funções e responsabilidades e garantir uma gestão de risco robusta, um único family office pode gerir e preservar eficazmente a riqueza ao longo das gerações.

perguntas frequentes

Qual é a estrutura de um único family office?

Um único family office pode incluir Diretor Executivo (CEO), Diretor Financeiro (CFO), Diretor de Investimentos (CIO), Analistas e Gerentes de Investimentos, Consultores Jurídicos ou Consultores Internos, Gerentes Fiscais e Contadores, Profissionais para lidar com questões financeiras e riscos operacionais, consultores de planejamento patrimonial e sucessório, gerentes ou consultores de filantropia e impacto social, coordenadores para atualizar e envolver membros da família, funcionários de concierge e estilo de vida ou prestadores de serviços, especialistas de TI e profissionais de RH, etc.

O que define a estrutura corporativa de um único family office?

A estrutura corporativa de um único family office refere-se à forma jurídica que assume, como empresa privada, trust, parceria ou uma combinação destes. Esta estrutura determina as responsabilidades legais do escritório, as implicações fiscais e a forma como é governado.

Como normalmente é gerenciado um único family office?

Um único family office é administrado por uma combinação de membros da família e profissionais contratados. A equipe de gestão pode incluir um CEO ou diretor-gerente, um diretor de investimentos, analistas financeiros, consultores jurídicos e outros especialistas, dependendo do tamanho e escopo do escritório.

Qual é a diferença entre as estruturas de gestão de um Single Family Office (SFO) e de um Multi Family Office (MFO)?

Um SFO normalmente tem uma estrutura de gestão adaptada especificamente às necessidades de uma família, permitindo potencialmente um controlo mais directo por parte da família sobre as operações. Uma MFO, que atende múltiplas famílias, costuma ter uma estrutura mais complexa para atender às diversas necessidades de seus clientes, com maior ênfase em serviços padronizados.

Como os single family offices tomam decisões de investimento?

As decisões de investimento em um único family office são normalmente tomadas pelo diretor de investimentos ou por um comitê de investimentos, que pode incluir membros da família. Estas decisões são orientadas por uma Declaração de Política de Investimento (IPS) que descreve os objetivos da família, a tolerância ao risco e os critérios de investimento.

Os single family offices podem ter conselhos ou comitês consultivos?

Sim, muitos family offices estabelecem conselhos ou comitês consultivos para fornecer governança, supervisão e direção estratégica. Estes podem incluir uma combinação de familiares, consultores de confiança e especialistas externos.

Qual a importância da governança em um único family office?

A governação é crucial num único family office, pois garante que todas as operações estão alinhadas com os valores e objetivos da família, gere riscos e fornece uma estrutura para a resolução de conflitos e a tomada de decisões.

Que papéis os membros da família desempenham na gestão de um único family office?

Os membros da família podem desempenhar diversas funções, desde cargos de gestão ativa até funções de supervisão em conselhos ou comissões. O seu envolvimento é muitas vezes ditado pela estrutura de governação da família e pelos interesses e conhecimentos individuais dos membros.

Como os single family offices lidam com o planejamento de sucessão?

O planejamento de sucessão é um componente crítico de um único family office, garantindo transições suaves de liderança e riqueza entre gerações. Isto envolve estruturas legais, iniciativas educacionais para herdeiros e diretrizes claras para sucessão dentro da equipe de gestão do single family office.

Existem considerações legais específicas para a criação de um único family office?

Sim, as considerações legais incluem a escolha da estrutura corporativa adequada, o cumprimento dos requisitos regulamentares e fiscais e a elaboração de documentos e políticas de governação. As escolhas jurisdicionais também podem impactar significativamente as considerações legais e fiscais.

Como os single family offices garantem privacidade e confidencialidade?

Os family offices implementam acordos de confidencialidade rigorosos, práticas seguras de gerenciamento de dados e muitas vezes operam com um alto grau de discrição para proteger a privacidade das informações financeiras e pessoais da família.

Que oportunidades de treinamento e desenvolvimento normalmente são oferecidas aos funcionários de um único family office?

Os single family offices investem frequentemente em formação e desenvolvimento para garantir que os seus funcionários estão bem equipados para gerir eficazmente o património da família. Isto pode incluir cursos de desenvolvimento profissional em finanças, conformidade legal, gestão de riscos e outras áreas relevantes, bem como formação contínua para acompanhar as mudanças no panorama financeiro e jurídico.

Como os single family offices integram a tecnologia em suas operações?

A integração tecnológica em um único family office inclui o uso de software avançado para gestão financeira, avaliação de riscos e gestão de portfólio. Eles também utilizam ferramentas de comunicação seguras para manter a privacidade e a eficiência nas operações. O objetivo é aprimorar os processos de tomada de decisão e melhorar a gestão de ativos e informações.

Quais são os desafios típicos de contratar um único family office?

Os desafios de pessoal num único family office podem incluir encontrar profissionais com a combinação certa de competências e a capacidade de se enquadrarem na cultura do family office, gerir custos associados a talentos de alto calibre e garantir a lealdade e discrição do pessoal no tratamento de informações sensíveis.

Como um único family office mantém a eficiência operacional?

A eficiência operacional em um único family office é mantida por meio de canais de comunicação claros, processos simplificados e revisões regulares de estratégias operacionais e financeiras. A eficiência também é melhorada através do aproveitamento da tecnologia e da garantia de que todos os funcionários estão bem alinhados com os objectivos e estruturas de governação da família.